Archive for the ‘ágora’ Category

em Budapeste, para começar

janeiro 3, 2012

Anos atrás aprendi com meu amigo José que quando alguém queria fazer uma bandalha – tramar uma revolução, trair a esposa, aparecer de forma canastrona num medíocre Kubrick – no século XIX, Budapeste era o lugar para onde se dirigir para realizar a empreitada. Agora a bandalha é em casa: um “ato institucional” foi aprovado pelo legislativo.

A Europa conhece seu Fujimori, o Fidesz. Resta saber se terão a pusilaminidade que tiveram os Clintons e FhCs de plantão da América dos 90.

Anúncios

As meninas da escola saudita na véspera de Trinta

novembro 29, 2011

A virtude e o vício, amigos. Nada mais nobre a se lutar do que pela virtude e contra o vício. Bem, talvez salvar o mundo seja mais relevante. Mas se há uma nobre missão a ser desempenhada, há uma fellowship – ou, para ser mais contemporâneo, um comitê – a assumi-la. E se houve momentos não muito distantes em que heróis salvaram, com notáveis raras exceções®, o mundo, há aqueles que lutam para trazer ordem e perfeição em meio a esta crise. Veja-se o esforço dos alemães e do Banco que zela pela estabilidade do euro. (Não, não usemos cá o termo Banco Central. Este se aplica a instituições com ambigüidades, que visam adicionalmente coisas como manter o nível de emprego e os juros em taxas razoáveis. Lembremo-nos que a dissolução moral começa no bunga bunga e termina na volatilidade conforme as circunstâncias.)

Pois este conjunto de instituições – UE, BCE, FMI – que conseguiu depor o viciado em sexo talhado em Milão que há anos constrangia as pessoas de bem e a Economist como ocupante do governo da Itália, e obter a renúncia de um oligarca de “esquerda” encastelado na Grécia, pondo em ambos os postos flexians com o menor compromisso possível com as perversões corruptas do mundo político local; que conseguiram reendireitar os parlamentos ibéricos, de forma que num corte inglês venham a adquirir as virtudes d’austeridade. Que nome, pois, atribuir a tal conjunto de pessoas para quem cut não se aplica aos detalhes, mas pleno verbo à prática de cortar a própria carne dos orçamentos públicos e das obrigações assumidas de longa data para com os cidadãos, que nome que não Comitê pela propagação da virtude e prevenção do vício?

Há uma história das meninas na escola saudita, de uma década atrás. Os países da Europa são hoje as meninas na escola saudita. Uma série de ficções de ordem moral os fará arder em nome da virtude, zarzuelas de Bayreuth ao fundo diria José. Não vou entrar aqui na discussão técnica dos problemas e das soluções: seria redundante com o muito que se discute no momento, tanta coisa que nem sei por onde começar e fazer justiça a todos. E é inútil. Tal como vejo, mantida a atual institucionalidade européia, não há salvação.

É chegado o momento da Europa derrubar sua República Velha. É chegado o momento de se romper a estrutura federativa tênue, feita para beneficiar o principal Estado, seja em termos populacionais, seja em termos de poderio econômico e exportações, e investir numa estrutura unificada em que as soluções atendam à maioria e não ao maior. É chegada a hora de se derrubar do pedestal São Paulo… perdão, a Alemanha, e se fazer a União vir antes dos Estados.

A Roman among greek (colonels)

novembro 7, 2011

post do Idelber sobre a decisão de Allende está magnífico

Hasbara Carlos

setembro 13, 2011

Ano que vem, Roberto Carlos, usando da mais avançada da mais avançadas das tecnologias, realizará um show diretamente de Sun City para passar em celebração a seus 48 anos. Assim como este ano, dia antes da barragem de imprensa da celebração de uma década do 11 de setembro, véspera.

Novidade no repertório uma melodia roliudianamente apropriada. A Caravana Rolideus aplaude. Aos cristãos locais que entendem a letra deve servir como lembrete de que Deus reconhecerá os seus.

Já cá, terra onde se consome o PIG, os espectadores tinham mais o que fazer.

Piada antes que saia

agosto 4, 2011

Isso é uma gracinha que escrevi tem prá mais de ano, pedacinho de um texto numa série de posts sobre defesa que um dia ainda público. Antes que perca a validade, cá vai.

Tradução:

NJ: Então, o que você acha, Gil? Um Dassault é sempre maneiro.
GM: O que o garoto vai fazer lá na nossa casa?
NJ: O Cara precisa de alguém lá depois de 2010. O F/A-18 é fuderoso, mas os caras que tem em geral não são.
GM: Mas o cara não te pegou para vice
NJ: o Grippen é sexy – se você quer alcance curto. O que você acha?

Original:

Brian: So what do you think, Mikey? The jeep is always hot.
Michael: What does he doin’ in your place?
Brian: He need to stay somewhere. The audi is a fuck machine, but the guys that drive them usually aren’t.
Michael: His dad almost beat the shit out of you.
Brian: The Boxster’s sexy — if you have a little dick. What do you think?

precisa-se de um bada bing

maio 30, 2011

De novo Palocci é flagrado em posições comprometedoras. Fosse ele um escritório de advocacia os valores não seriam impossíveis. Mas não é o caso. Consultoria não é só gênio, mas trabalho: horas e horas de trabalho muito qualificado. Requer gente. Não vi até agora no jornal nenhum comentário sobre o número de pessoas envolvidas na prestação de consultoria, sua formação e qualidade. Isso seria um jornalismo básico, mas, sinceramente, parece que a última coisa que se quer no momento é isso esmiuçado.
No governo passado, sob peso de acusações graves e variadas, foi um ato que não gerou nenhum ganho financeiro, não envolveu nenhuma propina ou benefício de empresa, que derrubou o ministro: a violação do sigilo bancário de um caseiro. Até a discussão da natureza da casa em frente ao caseiro (como diria Nelson Rodrigues Friedman, “fiado só amanhã”) sumiu ante a esse ato de desrespeito à mais básica liberdade do ser humano: a inviolabilidade da informação da conta bancária.
Precisa-se urgentemente de um caseiro, um ascensorista, um rodriguiano contínuo cuja ritual violação permita, de alguma maneira, uma saída honrosa para que a farsa se repita. “Disrespect the bing” é o termo para esse truque.
José, será que Lord Voldemort não empresta a filha?

El Presidente

março 17, 2011

Minha mãe me pergunta se não vou ver Obama.
Respondo que sou do tempo em que as pessoas não iam ver governantes sob os quais há militares torturando pessoas.
Assange e Manning dariam um belo Nobel da Paz em 2011.

Valerie Solanis de novo no quarto andar

dezembro 8, 2010

Vocês já repararam como Assange lembra, de certa forma, Warhol?
A acusação de “estupro” parece saída direto do SCUM Manifesto.

A comuna se levanta

dezembro 8, 2010

Noutra hora entrarei em maiores detalhes, mas fica aqui o registro. O que acontece neste momento é um levante sem precedentes.
A democracia representativa burguesa vê chegar seu desmascaramento. Temo que o que há pela frente é o comunismo: não a utopia marxista mas o estado policial.

Esculacho

novembro 11, 2010

Outro dia eu estava numa apresentação de conjuntura (muito boa por sinal) e fiz um questionamento sobre a política de austeridade do governo Tory. Na minha opinião ela não atendia a nenhuma demanda do mercado traduzida em juros mas, pura e simplesmente, era um esculacho praticado contra os pobres. Até o Boris se revoltou contra os cortes.

Mas isso, agora, é café pequeno. Ian Duncan Smith, um católico que já liderou os tories, quer instituir trabalho “voluntário” como critério para se pagar seguro desemprego. Recusar trabalho é pecado. Se havia dúvidas quanto ao que move o gabinete de milionários que há hoje no Reino Unido acho que elas estão dirimidas.

Consequências? Um acesso de sanidade dos liberais-democratas rompendo a coalizão e fazendo um governo com o Labour assim que a situação social começar a degringolar. Ou alguma distopia na linha Alan Moore.

E música punk de qualidade! Os momentos tatcherianos foram aqueles que produziram o melhor punk rock. E eles voltarão.

BTW, assombrosa a semelhança entre Ian Duncan Smith e Adam James Susan.