Archive for maio \23\UTC 2008

O triunfo provisório de Renato

maio 23, 2008

Assisti, junto a um desesperado tricolor, o jogo. Na minha condição de botafoguense fatalista, o triunfo do Fluminense me parecia claro. A escalação era a que eu teria feito, dito na segunda, antes do desesperado tricolor me arrancar o siso (último dente a nascer, primeiro a partir). Claro que não correu taticamente como eu esperava: o viadinho do Tiago Neves deveria ter se atido a ponta-esquerda, ter feito o que Cristiano Ronaldo fez na partida contra o Chelsea, coisa que tratarei em outro post. Ficou pelo meio, embolando, tentando “jogadas de craque”. Se redimiu no corner, mas foi uma liability tática o tempo todo, ao contrário do esforçado e hábil Conca. Tiago Neves tomou um justificado esporro do capitão Luis Alberto, para choque do comentarista Falcão. Falcão, que jogou numa seleção na qual ninguém dava esporro, nunca soube o que era final de copa do mundo. Aliás, ninguém da safra dele soube, mas isso é esquecido pelos que glorificam o “talento” do futebol brasileiro. Já Dunga e Lúcio, para citar dois casos de jogadores que bateram em colegas de seleção em campo, podem exibir uma medalhinha da FIFA. Aliás, Dunga pode exibir duas.

Mas, voltando a Renato, foi perfeito na escalação, perfeito no timing das substituições. Arouca pode ser o mais talentoso do trio do meio-campo, mas era o que menos podia contribuir na necessidade de sobre-esforço e contenção de Adriano. Dodô, que nós botafoguenses conhecemos como ninguém, marcou mais um pequeno gol antológico: casual, quase sem ângulo, por baixo da perna de Rogério Ceni.

Falhas: além da inoperância de Tiago Neves, que se recusa a reconhecer que Washington e Cícero são mortais pelo alto, outro craque ofensivo, Dagoberto, membro da turma que foi eliminada pelos paraguaios no pré-olímpico de 2004, foi de absoluta nulidade. Em qualquer outro lugar do mundo Dagoberto seria relegado à ponta, assim como Tiago Neves, e ensinado a cruzar bolas, aquela coisa que Sávio e Marcelinho Carioca sabiam fazer tão bem – e talvez por isso nunca tiveram uma chance de fato na seleção, lugar de “craques”. A entrada de Aloisio, criando a possibilidade de um diálogo no ataque do São Paulo, permitiu o gol do Adriano. Renato, no entanto, reposicionou o time, neutralizando essa jogada. E não havia mais o que Muricy pudesse fazer, pois o contundido Jorge Wagner é, no fundo, a única possibilidade de criação de jogadas do São Paulo hoje.

Washington fez seu papel, por a bola para dentro do gol. Esse é o papel do artilheiro. Ontem ele se juntou a Cabañas e a Palermo, que foram, junto com o Adriano, os heróis da Libertadores até aqui.

E Renato soma mais uma barriga à sua carreira. Um gênio entre as quatro linhas, um gênio fora delas.

 

Numa nota pessoal, chegando hoje ao trabalho encontrei o seguinte e-mail, de um amigo torcedor do tricolor carioca, enviado após a decisão da Champions:

“Viu a pelada inglesa? O campeão tinha um atacante do Corinthians e outro da Lusa. O cara perdeu o pênalti, mas um cabeça de bagre dublado em inglês acabou perdendo outro pênalti. Justamente para aquele goleiro holandês que não pegou nenhum em 1998…

Agora já sabemos quem vai perder a final em Tóquio para o São Paulo. Depois do Liverpool, chegou a vez do Manchester…

saudações

Nelson Rodrigues”

 

Visionário, rsrs…

A evolução em marcha

maio 19, 2008

Ilhas são os laboratórios de engenharia genética da natureza.

Essa notícia é aterrorizante: camundongos transformados em caçadores. Tipo da coisa que mereceria um especial de terror: certamente as cenas são mais brutais que qualquer matança de focas. Mas como não há pessoas diretamente culpadas, nem dá prá posar com camisa da PETA

http://www.guardian.co.uk/environment/2008/may/19/wildlife.endangeredspecies

Season Finale – UK

maio 19, 2008

Um dia.. aliás, não um dia qualquer, o dia internacional da mulher… bem, um dia, os deuses do futebol resolveram homenagear a mulher entregando a uma a decisão dos jogos de um torneio. E não de um torneio qualquer, mas da FA Cup, o mais antigo torneio de futebol. Melhor tivessem entregue a chave do … bem, deixa eu parar de piadas sexistas… mas fato é que, para surpresa universal, tanto Manchester United quanto Chelsea – que disputam a final da Champions League, que estiveram empatados na liderança da Premiership até os últimos minutos, que decidiram a FA Cup do ano passado, que etc – tombaram ante a adversários menores. Bem menores, para se falar a verdade. Quartas-de-final, 8 de março de 2008.

Sábado houve um animado e medíocre Portsmouth vs Cardiff. Obviamente, deu Portsmouth. Um velho conhecido da torcida brasileira, Kanu, marcou o gol. O time do Portsmouth – que se classificou para a Copa da UEFA – é um time redondinho, com alguns jogadores de qualidade: o veterano Sol Campbell (que deve estar rindo de seus ex-companheiros do Arsenal, que não sabem o que um troféu desde… perdi a conta; Lassana Diarra, um desarmador muito hábil, possível titular da França nas próximas copas do mundo; Defoe e Glen Johnson, dois ex-“futuros jogadores” da seleção inglesa; e, Kranjcar, o “meio campista habilidoso” da seleção croata.

perguntas prá lá de óbvias

maio 12, 2008

Deve ser Verdi. Milão, o Scala logo ali,  va pensiero começa a tocar e bate uma saudade no coração da gente. E aí vem a notícia: em breve, mais um membro da família Fenômeno no mundo!

Pergunta 1: tendo Ronaldo traçado, só de capas de Playboy, mais de duas dezenas (e isso na contagem pré-Cicca), vocês não acham que safe sex seria mandatório? Até mesmo Austin Powers reclamaria.

Pergunta 2: considerando alguns casos de gravidez não desejada por parte dos pais, especialmente no caso de pais rockstars, senadores etc (e aqui não vão links – sabe-se lá o que advogados podem fazer no futuro com obscuros blogueiros), vocês não acham que transar com a noiva sem camisinha é algo como um pai deixar seu filho ir passar a noite em Neverland – uma ação na justiça em gestação?

Pergunta 3: tendo em vista o escândalo tão recente, não há alguém com um pingo de cérebro para perceber que uma informação dessas só agrava o escândalo?

Mas, afinal de contas, “à noite todos os gatos são leopardos”, quer dizer, pardos.

 

Steampunk

maio 9, 2008

Cá ainda não chegaram, não que eu tenha visto. Há um artigo no NYT, Steampunk, “a brand new talk but it’s not very clear”. Prá mim, o termo estava associado ao The Difference Engine, interessante obra dos profetas Gibson e Sterling. Pelo que está no NYT, virou algo como uma espécie de new romantic para nerds.

O artigo, no entanto, me trouxe a mente uma obra fronteiriça ao gênero, The Diamond Age, do Neal Stephenson, que talvez tenha o personagem com quem mais me identifiquei num livro de sci-fi. O ponto-chave que se perde num mundo de roupas ou teatralidades, a la Liga Extraordinária, são as implicações morais da reencenação do passado. Em Diamond Age, há como que uma reencenação de um mundo vitoriano num futuro, como houve de certa forma da antiguidade na Renascença (aqui abre-se espaço para uma aula de comentários reflexivos). Não são os gadgets, mas é, por assim dizer, o bushido que se busca.

No processo de referenciar esbarrei num interessante blog, Capacitor Fantástico. Vale uma visita.

Da temperatura dos pés

maio 9, 2008

Meu querido jlmdias faz uma brilhante junção do Lord Protetor com os deuses do futebol para tratar do furacão de Myanmar que jogaram no chopp do Flamengo. Engano. Não se trata de um castigo dos deuses, mas de um karma.

Lula é corintiano, com simpatias pelo Vice da Gama. O Brasil, sob sua presidência, foi batido por um centenário meio-campo francês. E, nessa Libertadores, os dois times que ele patriocina cairam de forma humilhante. Nada mais que River e Flamengo, Petrobrás no peito de ambos, Maracanâ e Monumental de Nuñez, a dor ante ao adversário que se supera.

(mui grato pela observação do detalhe das camisas, compadre CGA)

 

numerologia

maio 8, 2008

Deve haver algum problema numerológico com o nome Maia e o nome DEM. Não bastassem o Pai e o Felinto, junta-se em trindade o primo Agripino no interrogatório à ministra Dilma. Deve ser a nostalgia do outro Filinto que liderou a nossa direita.

Mas é pergunta que não quer calar é: quando o ex-blog vai tratar da Liga da Justiça, essa tão familiar coalizão DEM-PMDB?

Felinto Maia e Filinto Müller! Me espanta essa coincidência não ter sido explorada até agora sobre o lider das ruínas dissidentes e refundadas do que um dia foi o Maior Partido do Ocidente.

traduzindo para o português

maio 2, 2008

Lá no Josias de Souza há as manchetes, lá no Hermenauta um monte de links, mais algumas explicações do impacto no Nassif, mas, em bom português, a manchete deveria ser: “Abertas novas portas de endividamento externo para o Brasil”.

Isso está dito pelo brilhante (e aqui não vai um pingo de ironia) Mendonção, de forma indireta,, lá na Miriam Leitão: “Virá dinheiro novo, que não pode ir para países e papéis que não têm esse grau de investimento“. O ponto não é que o Brasil ficou mais atraente com investment grade. O ponto é que certos fundo não podiam operar com o Brasil se ele não tivesse investment grade, por mais que esses fundos julgassem o Brasil e suas empresas como de risco aceitável e de rentabilidade atraente. Não é o Mercado que foi convencido, mas um obstáculo regulatório que foi vencido.

Nessa altura do campeonato a pergunta é: para que o Brasil precisa desses capitais? Mas os brasileiros que operam em Wall Street e na City of London (e a serviço, em São Paulo e no Leblon) devem estar em estado de graça. Aliás, longe de “de graça”: deles será o mais gordo bônus desse ano, não tenham dúvida.