Archive for abril \28\UTC 2009

uma vez, sempre

abril 28, 2009

Ver (num spot publicitário) Roberto Freire se entitulando “reformista” é mais ou menos como ouvir nigger numa música do 50 Cent, por exemplo

O mesmo que Dantas

abril 27, 2009

Aclama-se Ronaldo pelos dois gols contra o Santos. Bonitos, mas prescindem do slow motion. No último, dá tempo do zagueiro voltar para ser driblado. E digo isso porque fosse ele jogador do Santos, a jogada teria sido impedimento. Ronaldo é um jogador de uma habilidade extraordinária, o avatar de Pelé. Provavelmente será o artilheiro do campeonato brasileiro. Mas cravo que cinco ou mais de seus gols serão marcados em impedimento. Os bandeirinhas tem critérios diferentes entre times, e o responsável pelo ataque do Santos no primeiro tempo e do Corinthians no segundo é um exemplo claro disso.

Criticam a torcida do Botafogo por não ter ido no Maracanã. Para que? Será que a imprensa não é capaz de perguntar aos torcedores do Botafogo qual a percepção do que se passa no campeonato carioca? Será que eles não viram os absurdos das decisões de anos anteriores? Qual o sentido de ir ao Maracanã para ver a “atuação” de Juan, exemplo paradigmático? Primeiro, implodia a qualquer contato físico. O juiz, prontamente, dava falta. O replay mostra que sempre ele dobra os joelhos quando o contato se aproxima. Mas claro que os comentaristas do sistema Globo, interessados em agradar a maioria dos espectadores e criar a ilusão de que aquilo é um processo tão honesto e não dirigido como o big brother, silenciam. Não vejo a hora em que o Simon vai se juntar a Marsiglia e Wright.

Mas Juan protagonizou outra cena, a agressão a Maicosuel por ter tido a audácia de driblá-lo. Aquele era um lance claríssimo de expulsão, mas claramente o juiz não queria estragar o espetáculo expulsando um jogador do Flamengo. O silêncio do comentarista Junior ante a aquele lance foi vergonhoso, mas é aquela coisa, ele sabe porque está ali.

O que vem acontecendo no futebol brasileiro tem muitos anos é o mesmo do caso Dantas: a fraude é explicita mas a imprensa faz de conta que nada acontece. Nada pode perturbar os negócios e a ordem. E enquanto isso, as crianças e jovens, bem como consumidores que não fazem parte das classes investment grade, cada vez mais vão usando camisas de times europeus. O playstation e a TV a cabo não vão acabar só com o entertainment da Globo, mas com a parte de esportes.

Uma questão de orientação

abril 27, 2009

Meu amigo Hermê tem lá sua piadinha com o Lugo. O que parece escapar ao pessoal nessa questão é o que, na minha modesta e polêmica opinião, é uma das rachas na igreja católica. Onde se lê esquerda, ação voltada para os problemas concretos da comunidade de fiéis, teologia da libertação, leia-se também homens que gostam de mulher. Onde se lê direita, uma igreja voltada para o ritual e o espiritual, Platão, leia-se também homens que gostam de rapazes. Claro que isso não é assim tão homogêneo, mas reparem em Lugo, Boff etc, versus o discreto acobertamento pelo Vaticano de casos de pedofilia como o da Instituto Antonio Provolo, por exemplo.

A herança do deputadô

abril 27, 2009

Sabe essas correntes milagrosas que andam por aí pregando o humanismo nacionalista, a liberdade de portar armas para impedir que os nazistas soviéticos tomem o poder, sobre cachorrinhos sofrendo enhanced interrogation methods em nome das artes plásticas centroamericanas etc? Pois bem: tenho o mui desagradável hábito de responder esses e-mails. Desagradável pois as pessoas que dão forward a essas merdas com as melhores das intenções não gostam de se ver ridicularizadas, ver expostas as inconsistências do texto e de suas boas intenções. E como não conseguem defendê-las ante a um hábil e cético argumentador como este que lhes escreve, ficam em geral putinhas. “O Samurai não é para principiantes”, disse uma vez um amigo meu ao seu namorado que acabará de me conhecer, faz mais de um par de décadas.

Mas vamos ao ponto: uma simpática senhora amiga minha, inteligente, bastante talentosa e, ao contrário das meninas do post anterior, já tendo passado por dois retornos de Saturno (quanto ao resto, para bom entendedor…), me mandou uma corrente que talvez algum dos amigos já tenha recebido sobre um projeto de lei do falecido Clô. Não vou postar o email aqui. Pelo google, a fonte me parece ser essa: uma turma da AMAN. (cantando comigo:  “Brazil Brazil Brazil aldeia globale”

Bem, essa foi minha resposta:

<nome omitido para preservar a inocente>

essa proposta não tem nada de patriótica. Ela sofre é de um moralismo tacanho, variante do mesmo tipo de moralismo que perseguia Clodovil. Se você for no link abaixo você verá qual o tamanho dos parlamentos em um significativo conjunto de nações democráticas:

http://en.wikipedia.org/wiki/National_parliaments_of_the_European_Union

Em nenhuma delas o parlamento tem o tamanho das obrigações de fiscalização do parlamento brasileiro. A câmara de deputados no Brasil é maior que a americana. Já o senado, menor. No Brasil, Clodovil pode ser eleito deputado. Nos EUA, jamais seria.

Quanto à economia, não é o número de deputados que determina o gasto, mas as atribuições que a casa tem, o número de funcionário envolvidos e o valor de serviços contratados. Veja, por exemplo, o “custo” por senador quão maior é que o “custo” por deputado. São as atribuições que fazem o “custo”. Reduzir o número de deputados só fará com que a representação de minorias suma, e que o parlamento se componha de quem pode arregimentar muito dinheiro, fiéis ou prestígio. De gente que se disponha a atos pedulários como esse:

http://oglobo.globo.com/pais/mat/2009/03/19/deputados-disputam-apartamento-gabinete-de-clodovil-na-camara-754916498.asp

Clodovil como político sempre foi uma piada reacionária. Uma pessoa pode ser um ator político gay e de direita: Pim Fortuyn, por exemplo. Ou, para pegar o caso americano, o jornalista Andrew Sullivan. Clodovil optou pela comédia, num mau sentido. Você viu Milk?

Isso não torna ele um mau ser humano, não diminui a lembrança que temos do seu talento. Mas se há um lugar em que a presença dele era um sintoma de que algo está errado e não uma solução para o problema era a Câmara de Deputados.
Um abraço fraterno,
<moi>
PS: last but not least, o autor da mensagem mostra claramente o problema educacional brasileiro. Educação no sentido de fazer contas, educação no sentido de entender e trabalhar estatísticas, educação no sentido de ter caráter para divulgar uma infomação de forma correta:

O parágrafo abaixo é o original:

“Para um gasto total de US$ 600 per capita/ano, apenas US$ 300 per capita/ano vêm do setor público.
Destes, apenas US$ 150 são investimento federal, ou seja, US$ 0,40/dia por cidadão brasileiro, (…)”
fonte: http://www.ccr.org.br/a_noticias_detalhes.asp?cod_noticias=3503

O parágrafo citado por quem te mandou a mensagem é:
“para um gasto total de U$ 600 per capita/ano (em saúde), apenas US$ 300 vêm do setor público. Destes, apenas U$ 150 são investimento federal, ou seja, U$ 0,40 por cidadão brasileiro”

São dolares POR DIA o último número!

O artigo original já é calhorda em expressar os itens ao qual se opõe de forma agregada (e em bilhões) e expor os valores de saúde em números pequenos (percentual do PIB, valor per capita). 3,5% do PIB brasileiro pode parecer pequeno mas são dezenas de bilhões de reais. E observe-se que o texto citado é de um deputado do PSDB mineiro, nitidamente preocupado em levar verbas para o seu setor, o establishment de saúde. Nao sei se as reclamações dele eram tão intensas quando o governo era outro.

(fim do email)

Nem sempre correlação

abril 27, 2009

“E olha que ela é lésbica!”.

Situação: fila de espera do ônibus que substitui a barca Rio-Niterói, após o jogo Brasil x Argentina, meados de 2008. Um par de meninas que ainda hão de passar pelo retorno de Saturno, uma delas com uma jaqueta com o escudo, se não me falha a memória, da AFA (a CBF dos argentinos). Comento que a copa de 2014 é dos argentinos, começamos uma pequena conversa sobre futebol, o assunto chega em seleções africanas, Costa do Marfim e tal e Salomon Kalou vem a baila. Falo de sua não ida à Copa de 2008 e eis que a menina, realmente entendida da situação, profere a frase para sua amiga, enquanto subimos o ônibus, cessando a conversa nesse momento.

Há uma noção generalizada de que há uma correlação entre minorias perseguidas e/ou discriminadas e um sentimento progressista. A frase da menina é justamente isso: como a ministra holandesa, sendo lésbica, pôde discriminar alguém?

Javier wasn’t there …

abril 9, 2009

Não porei links aqui, pois eles são legião neste tópico. Há quem acredite que o melhor jogador do mundo é hoje um argentino. E de fato, as atuações de Messi tem sido maravilhosas, como o desmantelamente do Bayern no primeiro tempo do jogo de ontem (ao qual voltarei depois). Mas das 4 partidas dessas quartas de final da Champions League, a mais notável foi a vitória do Chelsea em Anfield, vitória que se deveu ao fato de que o melhor jogador da temporada não estava em campo. Em 2003 Menotti deu uma polêmica declaração que Makelele era um jogador melhor que Ronaldo (por si só esse link vale uma bela análise, que farei em adendo abaixo). Mascherano, outro argentino, é hoje o melhor jogador do mundo. Mas só a jogada do craque aparece: a evidência silenciosa das jogadas geniais do craque que não aconteceram não dá no show da rodada.

Mascherano não estava lá. Gerrard, que a mídia inglesa acredita(va) que poderia ganhar o título de melhor jogador da temporada, estava. Gerrard teve uma atuação medíocre e apagada. Culpa de Essien, certamente, muito embora na final do ano passado ele não tenha sido o suficiente para neutralizar Cristiano Ronaldo: Joe Cole e Ballack tiveram que vir no segundo tempo a cerrar a marcação sobre o avatar de Cruyff. Mas Essien, voltando de uma longa contusão e portanto sem estar ainda 100%, conseguiu dar cabo de Gerrard e ainda ser o foco central do meio campo do Chelsea. Foi o melhor jogador em campo pelo impressionante conjunto da obra, e não por momentos específicos. E se Gerrard estava reduzido ao seu brilho técnico de nulidade tática, não foi só Essien que se fez presente no Chelsea: Ballack mostrou porque é um dos melhores jogadores do mundo, numa partida séria tanto do ponto de vista da criação quanto de marcação. Malouda finalmente estreou pelo Chelsea depois de quase 2 anos. Kalou mostrou porque a sua não convocação por conta de uma ministra reacionária foi uma das causas da perdição da Holanda em 2006. E Ivanovic foi um capítulo à parte.

No primeiro gol, enquanto todos estavam parados, ele correu até o ponto ensaiado para cabecear, ziguezagueando entre os jogadores do Liverpool. No segundo, Gerrard estava dormindo, como acontece numa frequência acima do aceitável. O comentarista da ESPN falava o tempo todo de Ivanovic como improvisado na posição de lateral direito. Não sei onde esses idiotas buscam suas informações, mas tenho a dizer que no FM-2008 Ivanovic aparece como verde-claro para fullback direito e verde-escuro para beque central, e wing-back direito (se você for com o editor no banco de dados, ele tem 19 para ambas essas posições, e 20 para lateral direito).

E sobre comentaristas, tenho a dizer que dessa vez a pergunta sobre se “Lucas teria vaga no time titular do Liverpool” não foi feita por nenhum animal auto-entitulado telespectador. Pois qualquer um que vir o jogo entenderá que Lucas não tem vaga de titular em nenhum time que esteja disputando as quartas da Champions. Definitivamente, meu centro de seleção hoje é Josué e Denilson, que tem provado nas partidas do Arsenal ter maturidade, passe e disposição tática que uma década de jogadores brasileiros mais velhos que ele não tem.

Mas voltando aos jogos, o São Paulo do chauvinismo alemão foi trucidado no Nou Camp. Apesar da cegueira do juiz e de sua baixa disposição de dar cartões para o faltoso time do Bayern. Apesar do Barça ter aliviado no segundo tempo. Apesar de Zé Roberto e Ribery terem tentado alguma coisa. Ali pode se ver que Breno tem tudo para ser um jogador campeão pelo Brasil como o foram Roque Junior e Márcio Santos. Que Demichelis possivelmente quebrou o record intenacional de goleadas sortidas consecutivas (eliminatórias, bundesliga e champions em uma semana, antes da Páscoa, um feito que nem a Garoto, a Lacta ou a Nestlé – ou mesmo meu Botafogo – seriam capazes de repetir). O Bayern, que conseguiu o resultado que conseguiu contra o Sporting com um pequeno auxílio de falhas de interpretação da arbitragem, tomou consciência da realidade de seu time. Sem Lúcio e/ou Van Buyten na zaga não vão a lugar nenhum.

O Porto jogou uma partida brilhante contra o Manchester. O raio dos tripeiros tem uma versão sem pontaria – mas com mais velocidade e habilidade – do Júlio Baptista na pessoa do Hulk. Tiveram uma atuação impecável do Fernando e do Lucho Gonzales, jogador que seria meu Zinho fosse eu o técnico da Argentina. Não vai ser impossível (até porque vai ser difícil uma atuação tão nula como foi a do Scholes) o Manchester obter uma vitória contra o Porto, mas que vai ser dificil, vai. And by the way, lembrete: nada de zagueiros com nome começando com “Br”. Dá azar.

Last but not least, Villareal e Arsenal fizeram um belo joguinho, um tempo e um tento para cada um. E que tentos! Tanto Marcos Senna quanto Adebayor puxaram um gol ex machina da cartola . Ambos os times são redondos, equilibrados, e com um futebol leve e jovial. Tudo pode acontecer na quarta no Emirates.

Até lá.

 

Adendo:

nessa mesma época de 2003, o Real foi visitar o Manchester em Old Trattford. Aquela foi, de fato, a última vez que Ronaldo foi o Fenômeno. Talvez sua maior partida: três gols fora, no estádio onde a final da Champions League viria a ser disputada, eliminando o time da casa e sendo ovacionado no maior estádio da Inglaterra. Mas um mês depois, era a Juventus de Pavel Nedved que se dirigia à final. E como Nedved não estava lá, deu Milan. Nedved: e não Ronaldo, Zidane, Makelele – foi o grande jogador daquela temporada. Dele foi a Bola de Ouro de 2003.