O amor é azulzinho ou aqui se faz, aqui se paga (éditions UEFA)

Quem costuma freqüentar esta irregular birosca ciberespacial sabe que se há uma instituição cuja lisura eu não confio é na UEFA de Platini. E é aquela coisa: ela nunca falha.

Para começar, o que há de novo no cenário futebolístico deste ano? Contratações? Não muito. O Madrid não contratou nenhum galático. O Barça repatriou Cesc e pegou um chileno da Udinese, bom futebol, mas nada tanto assim. Os italianos seguem na miséria, o Chelsea canibaliza seus rivais imediatos ingleses (Torres e o prolongado assédio a Modric), Ferguson aderiu à “pedagogia” de Wenger, que por sua vez não sabe para onde vai…

Há, no entanto, um trio de novidades em relação aos anos recentes. Três times reaparecem. Um, o campeão alemão, um Dortmund que perdeu seu principal criador para o Madrid (Sahin) mas que se mantém razoavelmente intacto. Outro, o Napoli. Terceiro no italiano, nenhuma das três cobiçáveis peças ofensivas do Napoli saiu: Cavani, Hamsik e Lavezzi. E a terceira, o Manchester City, um time com recursos e jogadores para disputar tanto a premier league quanto a champions.

Como o City andou disputando Liga Euro, terceiro pote. Como Napoli e Dortmund andaram sumidos, quarto pote.

Não sei se vocês sabem, mas há uma guerra em curso pelo controle do futebol mundial. De um lado os grandes clubes, do outro a FIFA e as federações. Rummenigge, diretor do Bayern, é o porta-voz dos clubes. Rummenigge já sinalizou que em 14, pós-copa do mundo, os grandes clubes podem dar adeus à UEFA e sua Champions League e fazer o campeonato que realmente interessa aos espectadores globais e seus patrocinadores. Um campeonato em que o APOEL e o BATE Borisov não tem vez no horário nobre de terças e quartas, mas na qual o risco da Juventus estar excluída seja muito, muito baixo.

Vamos ao sorteio. Do pote 3 o Bayern recebeu o City. Do pote 4, sem poder receber o Dortmund, o Bayern recebeu o Napoli. Juntando à lista o resistente Villareal, este é um grupo dificílimo. As quatro principais nações estão representadas, coisa nunca aconteceu na fase de grupos neste século. Com seu time de craques frágeis (Robben e Ribery), o Bayern provavelmente terá que abrir mão de disputar o título da Bundesliga para poder se manter na Champions League. O amor é azulzinho, com o submarino amarelo enfiado pelo meio.

No mais, Barcelona recebeu um grupo com desiguais e belos jogos a serem feitos, muitas jogadas bonitas contra times absolutamente medíocres, e um par de partidas épicas contra um Milan onde está seu enjeitado Ibra. O Madrid enfrenta o Lyon pela enésima vez, com um restante de grupo com história e pouco mais (Ajax e Zagreb). United e Benfica reeditam seu clássico, acompanhados por um time romeno que foi campeão nacional pela primeira vez na última temporada e pelo Basiléia, qual seja, um par de clássicos e quatro partidas ridículas para o Manchester mostrar um lindo futebol.

Arsenal, Marseille, Dortmund e Olympiakos fazem um grupo duro, assim como Inter, Lille e CSKA. Chelsea, Valencia e Neverkusen, e Porto, Shakthar e Zenit fazem grupos enjoados, em que Chelsea e Porto terão que se esforçar para chegar em primeiro e tomar cuidado para não serem rebaixados à Liga Euro.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: